Natação está de regresso à Sanjoanense

A Associação Desportiva Sanjoanense vai ter uma nova modalidade nesta nova época desportiva, apostando na reabertura da secção de natação mais de duas décadas depois de inatividade. “Houve um conjunto de fatores que criaram esta possibilidade”, sublinha António Plaza, responsável pelo novo departamento alvinegro.
A saída do treinador Luís Ferreira da Associação Estamos Juntos, em finais de julho, e, consequentemente, dos vários atletas que orientava no clube, onde se destaca a nadadora olímpica Ana Rodrigues, foram fatores preponderantes para o ressurgimento da secção na Sanjoanense. “Face ao sucedido, um conjunto de pais decidiram apresentar ao clube alvinegro a possibilidade de reabrir a secção. O objetivo era manter em S. João da Madeira atletas e um treinador de grande qualidade, porque havia a possibilidade de saírem da cidade. Não se trata de criar um clube novo, mas a reabertura de uma secção que já existiu”, explica António Plaza, que considera que ao longo dos últimos anos “a natação estava a perder algum ritmo”. “Estou confiante que esta aposta irá trazer um novo fôlego à modalidade em S. João da Madeira”, acrescenta o responsável pela nova secção do clube alvinegro.
Criada inicialmente em 1980, e apesar de alguns resultados extremamente positivos, a natação nunca se afirmou na Associação Desportiva Sanjoanense, mas o clube tem agora a possibilidade de se destacar no panorama nacional da modalidade já que passa a contar com um treinador e nadadores extremamente experientes, onde se destaca a atleta olímpica e recordista nacional Ana Rodrigues.
“Acho que os sanjoanenses nunca perdoariam que uma proposta destas fosse feita ao maior clube da cidade e fosse rejeitada”, confessa Luís Vargas, presidente da Sanjoanense. Uma aposta que o responsável máximo alvinegro garante que demonstra o ecletismo do clube. “Apesar das dificuldades financeiras continuamos a aumentar o número de atletas e de modalidades, desde que isso não acarrete mais despesa para o clube”, explica o dirigente, que sublinha que a nova secção, à semelhança de outras, irá funcionar de forma autónoma.
Neste caso em particular, Luís Vargas garante que a reativação da secção foi resultado de um conjunto de circunstâncias que se revelaram benéficas para o clube. “Não fomos buscar ninguém nem contribuímos para que houvesse qualquer cisão com outra associação, mas não podíamos deixar sair a única atleta olímpica que S. João da Madeira teve e um treinador de excelente qualidade para outra cidade”, esclarece o dirigente.
Apesar da secção estar ainda a dar os primeiros passos na nova época, a experiência do técnico e da equipa permite colocar os objetivos num patamar mais elevado. “Tratando-se de um clube de competição, a meta passa por tentar melhorar os tempos individuais e levar a Sanjoanense o mais longe possível no Campeonato Nacional”, refere António Plaza, que sublinha que uma das prioridades da secção é “colocar o nome da Sanjoanense no panorama da natação nacional”. “A médio/longo prazo espero ver o clube como uma referência nesta modalidade em Portugal”, acrescenta o responsável, que confessa que gostaria de “ver Ana Rodrigues, nos Jogos Olímpicos de Toquio, em 2020, com a bandeira da Sanjoanense”.
Com cinco escalões (cadetes, infantis, juvenis, juniores e seniores), os treinos da nova secção alvinegra arrancam no próximo dia 4 de setembro, nas piscinas interiores do Complexo Desportivo Paulo Pinto.

Não é possível realizar comentários.