Faltou um gola à Sanjoanense para subir à 3ª Liga

Estádio Conde Dias Garcia

Sanjoanense 0 x S. João de Ver 0

Árbitro: José Almeida – AF Lisboa

Sanjoanense; Diogo Almeida, Aldair, Ruben, Godinho (C) (Paulinho 82), Gil Barros (Jota 71), Barbosa (George 62), Danso, Sam (Nonato 71), Márcio (Zé Leite 62), Mário Correia e Tarcísio.

Treinador – Sérgio Machado


SJ Ver: Leo, Ruben, Emanuel, Nuno Martins, Pedro Santos, Miguel Silva, Aranha, Mauricio (Milhazes 78), Elisio (Ibrahima 78), Vieirinha (Alex 70), e Yonder (Edu 92).

Treinador – Nuno Pedro

Empate entre AD Sanjoanense e SC S. João de Ver (0-0) impediu subida dos alvinegros à Liga 3. Jogo bem disputado onde só faltaram os golos. Alvinegros queixam-se da não marcação de uma grande penalidade aos 67 minutos, que poderia dar subida.

Na última jornada da Fase de Acesso à Liga 3, a AD Sanjoanense recebeu o SC S. João de Ver, numa partida que era encarada como uma final. A entrada para a partida os visitantes sabiam que o empate era suficiente, mas os alvinegros teriam de vencer por uma ou duas bolas de diferença, dependendo do resultado do jogo Leça com o Gondomar.

Focados nos três pontos, os homens de Sérgio Machado entraram em jogo determinados a chegar ao golo o mais rápido possível. Logo aos três minutos, Gil Barros deixa o primeiro aviso a Leo, com um forte remate a sair ao lado do poste esquerdo. Três minutos depois é Sam, em jogada de contra-ataque, a soltar para Tarcísio, que apareceu do lado esquerdo do ataque alvinegro, a rematar para corte providencial de Aranha, para canto. Na sequência da marcação do canto, Márcio voltou a levar perigo às redes dos malapeiros.

Tarcísio a criar perigo junto da baliza de Leo

Boa entrada da Sanjoanense em jogo, mas o S. João de Ver ia tentando responder com algumas subidas até junto da área de Diogo Almeida. Mas, o sinal mais era dos homens da casa. À passagem dos 14 minutos, grande oportunidade de golo nos pés de Tarcísio, que à entrada da área rematou forte, mas a bola acabou por passar por cima do travessão da baliza de Leo. Dois minutos depois foi Mário, em zona frontal a rematar para defesa de Leo a dois tempos.

O S. João de Ver só aos 19 minutos é que conseguiu criar algum calafrio junto das redes dos homens da casa, por Miguel Silva, em lance de bola parada. Mas, continuava a ser a Sanjoanense a ter mais posse de bola. Aos 25 minutos, Mário criou nova situação de golo, mas a demora na decisão fez com que se gorasse nova oportunidade.

Não marcavam os da casa, e quase chegavam ao golo aos homens de Nuno Pedro. Primeiro foi Elísio que esteve perto do golo, mas Diogo desviou para canto. E, na sequência do canto, é Aldair a evitar o pior. Foi o melhor do S. João de Ver no primeiro tempo, que terminou sem que o marcador se alterasse.

As equipas recolheram aos balneários empatadas (0-0), mas o jogo prometia golos, até porque o empenho das duas equipas a isso levava a crer.

O arranque do segundo tempo trouxe um S. João de Ver mais ofensivo. Primeiro, aos 57 minutos, de bola parada, Vierinha tenta criar algum perigo. Dois minutos depois é a vez de Silvestre, que ao segundo poste obriga Diogo Almeida a uma defesa para canto.

O jogo entrava numa fase mais mexida, também por força das alterações feitas por Sérgio Machado, que lançou no jogo George e Zé Leite, dois jogadores bem dotados tecnicamente. E foi precisamente dos pés de Zé Leite que nasceu o lance que poderia ter feito toda a diferença no jogo. Aos 67 minutos, grande arrancada do 34 dos alvinegros, que entrou na área e foi derrubado pelo seu adversário, mas com José Almeida a não marcar a grande penalidade, um lance muito contestado por todo o banco da Sanjoanense.

Mário bem tentou mas a defesa malapeira impediu o golo

No minuto seguinte é Mário a ficar novamente perto do golo, ao cabecear por cima da barra. O mesmo Mário voltou a estar perto do golo, à passagem dos 82 minutos, após passe de Nonato, mas a falhar o cabeceamento. Entretanto, de Leça vinham boas notícias, com o empate na partida, o que fazia com que um golo dos alvinegros colocava-os na Liga 3.

Era uma fase eletrizante da partida, e aos 86 minutos foram os visitantes a criar perigo, mas Diogo a resolver. E, era o tudo por tudo à procura do golo que valia a subida e do lado dos malapeiros a fechar os caminhos da sua baliza.

José Almeida deu apenas quatro minutos de tempo adicional, no nosso entendimento muito pouco para o número de paragens do jogo, sendo que muitas delas haviam sido provocadas pelos visitantes. O final da partida chegou com empate a zero, resultado que deixou a Sanjoanense à beira do sonho, mas com o sentimento de frustração por ver deixar escapar a oportunidade por entre os dedos. No final os jogadores alvinegros ficaram prostrados no relvado, e Godinho abandonava o relvado em lágrimas, naquele que foi o último jogo da sua carreira como jogador.

Equipa em sintonia com os adeptos

Já depois do jogo terminado, a equipa dirigiu-se à entrada do estádio e agradeceu todo o apoio que os elementos da Força Negra deram ao longo de toda a época, mesmo sem poderem estar presentes.

Jornal ORegional

ClubeJVEDP
AD Sanjoanense41033
UD Oliveirense43019
L. Lourosa43019
Pevidém SC40131
Fafe41215
SC Braga B40313
Vitória B42117
Canelas 201040222
SJ Ver41306
Montalegre42026
Anadia FC41124
FC Felgueiras431010