Andebol agenda fim de semana

Andebol | Agenda do Fim de semana

Seniores | ADS – Avanca sábado 17h

Juniores | Espinho – ADS domingo 12h

Iniciados | Espinho – ADS sábado 14h

Iniciados femininas | Ac. Espinho – ADS domingo 16h

Infantis | Académica – ADS sábado 11h

Resultados Finais do Fim de Semana

Andebol | Resultados Finais

Seniores | Santana 15 – ADS 26

Iniciados | Oleiros 23 – ADS 27

Iniciados Femininas| ADS 39 – Alavarium  29

Infantis | ADS 17 – Feirense 4

 

Basquetebol | Resultados Finais
Sub18 Masculinos | Sanjoanense 94 – Atómicos SC 30

Sub16 A Masculinos | Esgueira 56 – Sanjoanense 63

Sub16 Femininas | Sanjoanense/Súrya Café 54 – Atómicos SC 61

Sub14 A Masculinos | Sanjoanense 74 – Illiabum Clube 24

Sub16 B Masculinos | ACR Vale de Cambra 40 – Sanjoanense 50

Futebol | Resultados Finais

Juniores | Repesenses 0 – ADS 3

Juvenis A | ADS 3 – Lourosa 0
Juvenis B | ADS 15 – Arada 0

Iniciados A | ADS 1 – Fiães 1
Iniciados B | Tarei 4 – ADS 4
Iniciados C | ADS 5 – S. Vicente Pereira 0

Infantis A | ADS 7 – Esmoriz 2
Infantis A | Unidos Rossas 1 – ADS 3

Infantis B | Feirense 4 – ADS 0
Infantis B | ADS 1 – Vilamaiorense 4

Benjamins A | ADS 15 – Oliveirense 0

Benjamins B | ADS 5 – Feirense 0
Benjamins B | Avanca 6 – ADS 0

Traquinas A | ADS 4 – Bustelo 2
Traquinas A | Feirense 1 – ADS 8

 

Hóquei-Patins | Agenda

Seniores | ADS 2 – Paço de Arcos 3

Iniciados | ADS 4- Cenap 1

Infantis | ADS 3 – Bom Sucesso 2
Infantis | ADS 3- Cenap 7

Frieza e experiência decidiram

Sanjoanense 2 x Paço D’Arcos 3

5 Inicial: David Nogueira, Tiago Ferraz, Filipe Leal, Chico Barreira e João Oliveira(Cap.)

Jogaram Ainda: Alfredo Nogueira, Daniel Homem, Afonso Santos e Pedro Cerqueira

Golos: Chico Barreira(2)

 

A Sanjoanense averbou a terceira derrota, em outros tantos jogos, no Campeonato Nacional da 1ªDivisão. Pela primeira vez a jogar em sua casa, os comandados de Vítor Pereira falharam, sobretudo, na finalização e viram um Paço D’Arcos mais matreiro e frio a levar os três pontos de São João da Madeira.

Numa partida sempre equilibrada, com mais remates para os visitados, Chico Barreira abriu o activo aos doze minutos, de grande penalidade. Também de grande penalidade, Rui Pereira empatou aos vinte e um minutos, não dando hipóteses a David Nogueira.

No último segundo, João Rodrigues aponta para a marca de grande penalidade a favor dos alvi-negros, tendo Paulo Garrido trocado o guardião “Pilé” por Hugo Garcia que entrou e defendeu o remate de Chico Barreira.

Na segunda parte, os homens da linha foram eficazes e marcaram aos dois minutos, por Nélson Ribeiro e aos doze, novamente por Rui Pereira. A Sanjoanense foi “para cima” do adversário, e reduziu no minuto seguinte por Chico Barreira.

Com o resultado na margem mínima, os homens da capital do calçado procuraram, pelo menos, pontuar, intensificando a pressão e o caudal ofensivo e, aos vinte e dois minutos, “Pilé” faz pénalti recebendo cartão azul e, chamado à marcação, Pedro Cerqueira permitiu a defesa de Hugo Garcia. A jogar em powerplay, o Paço D’Arcos aguentou-se, com várias intervenções de grande nível de Hugo Garcia e levou três felizes pontos para o concelho de Oeiras.

Já a Sanjoanense continua sem pontuar, apesar de continuar a apresentar um bom nível exibicional, faltando acertar detalhes e ter a sorte do jogo. No próximo Sábado, os alvi-negros deslocam-se até à ilha do Pico, para defrontar o Candelária.

Uma derrota que não estava nas cogitações da Sanjoanense, que hoje esperava pontuar…

Vítor Pereira: Sim, hoje esperávamos pontuar, o Paço D’arcos, apesar de ser um adversário muito difícil, está mais ao nosso alcance e nós queríamos conquistar pontos. Isso não foi possível, lutamos e tentamos e penso que não merecíamos ficar sem pontos. Nesta recta final tentamos o tudo-por-tudo, mas infelizmente não foi possível pontuar.

A moral do grupo certamente fica abalada por não ter ainda pontuado. Crê que isso pode condicionar para a próxima partida na Candelária?

V.P.: Não pode afectar, sabemos que temos que lidar com isto, sabemos o valor das outras equipas e sabemos o quão difícil é este campeonato. Das três derrotas, duas são fora de casa contra adversários com muita tarimba na 1ª Divisão, o próprio Paço D’arcos é uma equipa que se reforçou bastante e está com outro ritmo de trabalho. São derrotas que não queríamos ter tido, mas temos que seguir em frente e pensar em conquistar os três pontos na Candelária.

Sabendo que jogar nas ilhas nunca é fácil, mas acredita que é nos Açores que pode estar a chave para os primeiros pontos da Sanjoanense?

V.P.: Acredito que sim, o Candelária sofreu algumas mexidas no plantel, ainda assim é uma equipa com muito valor, mas nós não temos ficado atrás das outras equipas em jogo jogado, há certos detalhes que nos têm prejudicado e nós com este ritmo competitivo e com os treinos que vamos fazer, vamos tentar colmatar esses detalhes. É mais um encontro em que os três resultados são possível e nós não vamos entrar com espírito de derrotados, independentemente de ser das ilhas, nós queremos ganhar.

Andebol | Agenda do fim de semana

Andebol | Agenda do fim de semana

Seniores | Santana – ADS sábado 19h

Juniores | ADS – SC Espinho sexta-feira 21h30

Iniciados | Oleiros – ADS domingo 11h30

Iniciados Femininas| ADS – Alavarium domingo 11h

Infantis | ADS – Feirense B sábado 11h

Sanjoanense de trabalho e raça no regresso às vitórias

  • Sanjoanense sofreu mas trabalhou bastante e conquistou vitória justíssima. 
  • Domínio claro e grande intensidade foram as armas para uma vitória de raça.

Depois das duas derrotas consentidas nas semanas anteriores – uma para a Taça de Portugal, em Espinho e outra para o Campeonato Nacional de Seniores (CNS), em Gouveia -, a Sanjoanense recebeu o Gafanha, ciente da importância de regressar à senda de vitórias que permitiria manutenção da proximidade ao topo da tabela.
Mas o velho conhecido Gafanha chegou a São João da Madeira determinado em demonstrar o porquê de, na época passada, ter ombreado com a Sanjoanense até final na luta pela promoção ao CNS – apesar de ambos terem acabado promovidos – e, logo aos cinco minutos, no primeiro lance digno de registo, inaugurou o marcador. Na sequência de um livre lateral de Ricardo Sousa, Hugo Paulo aproveitou a confusão instalada na grande área alvinegra e, em excelente posição, colocou os visitantes em vantagem.

Uma vez mais em desvantagem na primeira parte, os comandados de Pêpa tiveram que correr em busca do prejuízo e, em boa verdade, a partir daqui só deu Sanjoanense. Claramente mais pressionante, a formação alvinegra tomou conta do jogo e, em termos de domínio e qualidade, mostrou ser claramente superior ao adversário.

Com lances de ataque bem construídos a sucederem-se a bom ritmo, a Sanjoanense poderia ter disposto de uma excelente oportunidade para empatar à passagem dos 15 minutos, não fosse o árbitro da partida – e principalmente um dos seus auxiliares, que se encontrava em posição privilegiada – ter deixado passar uma grande penalidade por mão na bola de Mathieu, após cruzamento de Catarino.

Ainda assim, a Sanjoanense mandava no jogo e por duas vezes esteve perto do golo. Primeiro Mário, após jogada individual, e depois Alex, a passe de Catarino, poderiam ter restabelecido o empate, mas viram o golo negado por boas intervenções de Luis.

O empate parecia não querer aparecer e, apesar da insistência, até ao descanso nada mudou, mantendo-se a desvantagem que penalizava injustamente a Sanjoanense que, mesmo mais perigosa, continuava a ser travada pela excelente organização defensiva do adversário.

No entanto, a segunda parte seria rica em emoções e iria premiar o muito e bom trabalho alvinegro.

Apoiada numa estratégia bem mais ofensiva, a Sanjoanense continuou a procurar o empate e, aos 52 minutos, o golo esteve muito perto de aparecer, mas Alex, isolado por Mário e à saída do guarda-redes contrário, desviou a bola ao poste.

Ainda assim, tudo ficou mais fácil logo no minuto seguinte quando, na sequência de uma entrada muito dura sobre Letz, Mark viu cartão vermelho direto, deixando o Gafanha reduzido a 10 homens.

Em fase claramente positiva, a Sanjoanense aproveitou ao máximo e restabeleceu o empate logo de seguida. Numa investida pela zona central, Mário recebeu a bola na entrada área e, ao fazer a rotação para rematar, um defesa adversário acabou por desvia-la. No entanto, o esférico acabou por chegar a Alex e o extremo assistiu Catarino, que não desperdiçou.

Os protestos da formação visitante foram muitos, por culpa da posição adiantada de Alex, mas a bola chega ao jovem proveniente de um defesa contrário, o que invalida a marcação de fora-de-jogo.

Restabelecida a igualdade e em vantagem numérica, os comandados de Pêpa estavam com tudo para garantir os três pontos mas ainda apanharam um susto. Dois minutos depois do golo, e na única oportunidade do Gafanha após a vantagem, o inevitável Ricardo Sousa, na cobrança de mais um livre lateral, fez a bola percorrer toda a área e, sem desviar em ninguém, ir embater no poste.

Mas a Sanjoanense estava claramente por cima no jogo e a justiça no resultado foi colocada à passagem da meia-hora da segunda metade. Na sequência de um lançamento rápido, Alex aproveitou a descompensação da defesa contrária e, com um cruzamento bem medido, assistiu Stefan que, depois de ganhar posição à defesa contrária, conseguiu o desvio vitorioso.

Até final, o marcador não iria mexer e a Sanjoanense conquistou mais três importantes pontos num jogo extremamente complicado mas com um resultado completamente justo.

Na próxima semana, há paragem de campeonato para que se disputem os jogos da Taça de Portugal.

 

11 Inicial: Diogo Almeida, Tiago, João Pinto, Edgar e Ricardo Tavares; Letz, Muxa e Ruizinho; Alex, Catarino e Mário.

 

Jogaram ainda: Pardal (Tiago), Gian (Ruizinho) e Stefan (João Pinto).

 

Declarações de Pêpa:

 

A Sanjoanense volta às vitórias depois de duas derrotas consecutivas (uma para a Taça). Alguma vez receou que os resultados dos dois últimos jogos afetassem negativamente a equipa?
Os resultados negativos não dão moral a ninguém mas também não podemos, depois disso, colocar alguma coisa em causa. Eu acredito e faço acreditar que temos uma equipa capaz de ganhar e disputar os três pontos onde quer que seja. Temos que seguir o nosso trabalho, acreditar no que temos feito e saber que há sempre coisas a corrigir, porque quando se perde não somos os piores do mundo e quando ganhamos também não somos os melhores. Temos que ter boa noção do caminho a percorrer e acreditar na nossa organização e no nosso trabalho.

O Gafanha chegou cedo à vantagem, na sequência de um lance de bola parada e, para além do golo, só voltou a criar perigo num novo livre ao poste de Ricardo Sousa. A Sanjoanense demonstrou sempre mais intensidade e domínio. Sente que seria uma tremenda injustiça acabar o jogo sem a vitória?

Era. E não costumo comentar isto, mas depois de ouvir que a Sanjoanense é sempre ajudada em casa, tenho que intervir. Eu não admito esse tipo de comentários. Uma coisa é falar do árbitro e normalmente não falo, mas quando um colega faz afirmações dessas, tenho que responder à letra. Nós somos humildes, trabalhamos muito e fomos a única equipa que procurou a vitória desde o primeiro minuto. Mesmo a perder, tentámos estar organizados, fomos a equipa com mais remates, com mais cantos, mais posse de bola… Se falam do lance do primeiro golo, quem toca na bola é o jogador do Gafanha, logo não há fora-de-jogo. Se falam da expulsão, o jogador entra de sola, é normal que seja expulso.
Não percebo esses comentários mas, ouvindo isso, sinto-me afetado porque tenho que defender a minha equipa, que fez tudo para ganhar. Vínhamos de duas derrotas e entrámos a perder em casa, é complicado. E se formos ver a nossa média de idades neste jogo, dá cerca de 22 ou 23 anos… Temos tantos jogadores da formação, tão jovens e não trememos. Fomos pacientes, persistentes, tivemos que fazer ajustes na conquista da segunda bola e, na segunda parte, dominámos por completo. Não tenho dúvidas quanto à justiça do resultado.

A expulsão foi uma ajuda mas o Pêpa apostou numa estratégia bastante ofensiva na segunda parte, com os laterais muito ofensivos e Alex e vir buscar jogo ao meio. Teve receio que a equipa pudesse ser surpreendida no contra-ataque?

Faz parte, mas a equipa tem que estar organizada nos vários momentos do jogo. A transição defensiva acontece quando perdemos a bola e o equilíbrio da equipa é feito na organização ofensiva. E os laterais sabem o que têm que fazer mas ainda temos que melhorar para que não deixemos o adversário sair a jogar e explorar as costas da nossa defesa, como estava a acontecer.
Mas estamos a crescer nesse sentido, é um desafio que temos desde o ano passado, temos que conseguir recuperar a segunda bola, mas tivemos muita dinâmica, a tentar jogar por dentro e a explorar os corredores quando isso não dava. Temos uma dinâmica boa, queremos melhorar e temos que ser mais pacientes.

Na próxima semana há paragem no campeonato para que se realizem os jogos da Taça de Portugal e o próximo jogo é em Viseu, contra o Lusitano Vildemoínhos.  O que é que se pode esperar do adversário?

É uma equipa fortíssima, bem organizada, muito forte em casa e que conta com jogadores com experiência de II Liga. Apostou em força na época passada e está temporada também se reforçou bem.
Mas o nosso intuito, como sempre, é tentar conquistar os três pontos.