Um ponto de personalidade

Carvalhos 7 x Sanjoanense 7

5 Inicial: David Nogueira, Filipe Leal, Chico Barreira, João Oliveira(cap.) e Daniel Homem

Jogaram Ainda: Marco Lopes, Pedro Cerqueira, Afonso Santos e Alfredo Nogueira

Golos: Chico Barreira(4), Filipe Leal, Pedro Cerqueira e Daniel Homem

E à 6ªJornada, a Sanjoanense pontuou pela primeira vez. Num encontro do “campeonato” dos alvi-negros, a equipa de Vítor Pereira foi superior em toda a primeira parte e, embora com algum ascendente dos Carvalhos na 2ªParte, a recta final voltou a ser dominada pelos da capital do calçado que ficaram a 9 segundos de uma vitória muito saborosa, não fosse Chico Barreira ter falhado uma grande penalidade que dava a vitória.

Num Pavilhão sempre com boas assistências e um ambiente escaldante, a Sanjoanense entrou muito personalizada e a criar oportunidades, inaugurando o marcador, aos seis minutos, por Chico Barreira, numa boa iniciativa individual. No minuto seguinte, Tiago Pimenta, jogador que teve várias atitudes deploráveis para o público sanjoanense, empatou a 1-1.

Aos doze minutos, Filipe Leal, num livre, disferiu uma “bomba” que ainda bateu no ferro e colocou novamente a Sanjoanense na dianteira. Aos dezoito, João Oliveira vê rigoroso cartão azul mas, no livre-directo, David Nogueira brilhou perante José Almeida, outro elemento que também preferiu festejar com provocações aos adeptos da sanjoanense em vez de festejar com a sua massa associativa.

A jogar em powerplay, o Carvalhos acabaria por chegar ao golo, pelo mesmo José Almeida. Mas o encontro era de parada e resposta e, poucos segundos depois, o Carvalhos comete a sua décima falta e, na marcação do livre, Chico Barreira bate Mário Mata, fazendo o 2-3.

O último minuto da primeira parte foi recheado de acção, com um golo para cada lado, primeiro para André Matos e, depois, um golaço de Pedro Cerqueira, que começa a adquirir a sua melhor forma, levando a Sanjoanense em vantagem para o intervalo.

Na segunda parte, os visitados entraram melhor e empataram, aos três minutos, por José Almeida, na conversão de um livre-directo. No minuto seguinte, Bruno “Serôdio” desperdiçou uma grande penalidade. Aos onze minutos, João Oliveira desperdiça um livre-directo e, no minuto seguinte, o capitão alvi-negro viu o segundo cartão azul, mas já com Marco Lopes na baliza, José Almeida desperdiçou a oportunidade.

Aos treze minutos, o Carvalhos passou, pela primeira vez no jogo, para a frente do marcador, em novo livre-directo mas desta vez concretizado por José Almeida. Dois minutos depois, Pimenta fez o 6-4.

A Sanjoanense arriscou, foi para cima do adversário e, com uma personalidade enorme, empatou em três minutos, primeiro por Daniel Homem, que se estreou a marcar no campeonato com a camisola alvi-negra e, depois, por Chico Barreira, na conversão de um livre-directo após falta para cartão azul cometida por André Matos.

No mesmo minuto, os Carvalhos voltaram para a frente, novamente por Tiago Pimenta, mas Rui Vidal, numa falta infantil, recebeu cartão azul e permitiu a Chico Barreira fazer o 7-7 final que poderia ter sido uma vitória para a Sanjoanense, não fosse o homem-do-jogo, Chico Barreira, ter desperdiçado uma grande penalidade, a 9 segundos do fim, que dava a primeira vitória à Sanjoanense e seria muito merecida.

No próximo Sábado, pelas 15H, a Sanjoanense desloca-se ao Dragão Caixa para jogar com o FC Porto, no primeiro jogo de uma série de quatro contra os quatro primeiros classificados do campeonato da temporada anterior (Valongo, Benfica, FC Porto e Juv.Viana).

O primeiro ponto… mas que poderiam ter sido três. Não só pelo pénalti falhado a 9 segundos do fim, mas essencialmente porque a sua equipa foi superior grande parte do encontro, concorda?

Vítor Pereira: Podiam ter sido 3, tivemos quase tudo para os trazer esses pontos, trouxemos 1 e podíamos até não ter pontuado. Como eu disse antes do jogo este jogo era um jogo de tripla. Mais realmente o mais importante de salientar é que foi 1 ponto conquistado fora em casa de um adversário directo com uma excelente exibição. No meu entender uma primeira parte que dominamos, que deveríamos ter conquistado uma diferença maior de golos ao intervalo, uma segunda parte mais equilibrada com um período que os carvalhos passa para a frente do marcador e uma ADS a ter que jogar bem e com alma para inverter de novo o rumo dos acontecimentos. A haver um vencedor penso que deveria ser a Sanjoanense por tudo que se passou no ringue, pela força e alma que demostrou dentro e fora do ringue. Conquistamos um ponto fora e sinto que a equipa continua a crescer, vamos continuar a trabalhar pelo nosso objectivo.

A sua equipa inicia, agora, um série de 4 encontros frente a equipas de topo – FC Porto, Juv.Viana, Sl Benfica e Valongo pela ordem – como irá encarar estes jogos de máxima dificuldade?

V.P.: Vamos defrontar os 4 primeiros classificados da época passada, são jogos muito complicados, são jogos de uma competitividade muito grande, equipas muito competitivas, com jogadores de um nível europeu, mundial, jogos que todos nós gostamos de estar presentes com a responsabilidade do lado dos nossos adversários, não temos nada a perder. São jogos que trazem uma motivação extra a qual esperamos que sirva para nos superarmos e estarmos a um bom nível, aproveitando algum deslize de um desses adversários. Se nestes 4 jogos conquistarmos pontos é bom, eu acredito que o vamos fazer pois estamos a trabalhar muito, a procurar a nossa estrelinha da sorte e sei que isso vai dar os seus frutos. Como sempre vamos entrar com a mesma postura e objectivo nos jogos: Ganhar. O apoio dos nossos adeptos fora e principalmente em nossa casa poderão fazer a diferença, nós contamos com isso pois os nossos adeptos estão com a equipa e todos juntos temos consciência que pontos contra estas equipas poderão fazer a diferença no final.

A Sanjoanense acaba a jogar com um misto de juventude e experiência e, à semelhança do que tinha acontecido na Candelária, os jovens deram boa conta do recado e jogaram no limite para que o ponto fosse alcançado. Sente que tem uma equipa que, com o seu potencial trabalhado em jogadores como Alfredo Nogueira, Afonso Santos, Daniel Homem ou Pedro Cerqueira, poderá ser a estabilidade do clube no futuro, na I Divisão?

V.P.: Somos uma equipa, trabalhamos como equipa, jogamos como equipa e isso tem sido notório nos jogos. O nosso plantel pode não ser um plantel recheado de nomes de primeira divisão, mas é uma equipa equilibrada, jogadores com boas capacidades, alguns ainda em crescendo devido a sua juventude, um plantel de acordo com as possibilidades do clube e mais importante um plantel que se identifica com o “ADN”do clube. São jogadores diferentes que se completam de forma a sermos uma equipa, independentemente da idade joga quem trabalha, quem se encaixa na estratégia que delineamos, que se encaixa no decorrer do jogo e alterações achamos por bem fazer. Não temos de ter medo, é preciso apostar nos nossos jovens atletas, é essa a nossa intenção, mesmo que tivéssemos rios de dinheiro eu como treinador não deixaria de apostar nos nossos jovens. Claro que ter neste plantel alguns, muitos jovens de valor dá-me uma grande satisfação e motivação em relação ao futuro mas para mim eles já são o presente e têm demonstrado dentro do ringue.

Resultados Finais

Andebol | Resultados Finais

Seniores | Oleiros 24 – ADS 29

Iniciados | ADS 33 – Oleiros 34

Iniciados Femininas | AA Espinho 5 – ADS 42

Infantis | S. Bernardo 14 – ADS 21

Minis Fimininas | LAAC 13 – ADS 18

Basquetebol | Resultados Finias

Séniores |AD Sanjoanense 107 – Fides Gondobasket 56

Sub18 Masculinos | AD Sanjoanense 59 – Sangalhos  40

Illiabum Clube 42 – AD Sanjoanense 80

 

Sub16 Masculinos | AD Sanjoanense 63 – Sangalhos 58

Gafanha 57 – AD Sanjoanense 52

Sub16 Femininas:

AD Ovarense 42 – AD Sanjoanense 49

Sub14 A Masculinos | AD Sanjoanense, 79 – CP Esgueira, 41

Sub14 Femininas | AD Sanjoanense 57 – Illiabum Clube 65

Adescu Calvão 38 – AD Sanjoanense 77

Sub14 B Masculinos | AD Sanjoanense 44 – Clube Galitos 45

 

Futebol | Resultados Finais

Seniores | S. João de Ver 0 – ADS 1

Juvenis A | Taboeira 1 – ADS 2
Juvenis B | Carregosense 0 – ADS 10

Iniciados A | Feirense 0 – ADS 1
Iniciados B | ADS 1 – Paços de Brandão 1
Iniciados C | ADS 4 – Mosteirô 0

Infantis A | ADS 2 – Salesiano 2
Infantis A | ADS 5 – Cortegaça 3

Infantis B | Anta 0 – ADS 5
Infantis B | Tarei 0 – ADS 11

Benjamins A | ADS 7 – Avanca 0
Benjamins A | Salesiano 1 – ADS 4

Benjamins B | ADS 9 – Cucujães 0
Benjamins B | Alba 3 – ADS 3

Traquinas A | ADS 1 – Oliveirense 9
Traquinas A | Arrifanense 2 – ADS 10

Traquinas B | ADS – Avanca (interrompido devido ao mau tempo)
Traquinas B | Salesiano 0 – ADS 3

Petizes | Paços de Brandão – Pandas ADS A (interrompido devido ao mau tempo)
Petizes | Os Baixinhos A 0 – Pandas ADS B 8

Hóquei-Patins | Resultados Finais

Juvenis (SUB17) | CA Feira 4 – AD Sanjoanense 1

Iniciados (SUB15) | HA Cambra 2 – AD Sanjoanense 0

Infantis (SUB13) | HA Cambra 0 – AD Sanjoanense 4

Iniciados (SUB15) | AD Sanjoanense 2 – HC Mealhada 7

Infantis (SUB13) AD Sanjoanense 4 – HC Mealhada 1

Benjamins | AD Sanjoanense 1 – CA Feira 11

Escolares | AD Sanjoanense 0 – CA Feira 18

Xavi Puigbi e algo mais…

Sanjoanense 1 x Oliveirense 5

5 Inicial: David Nogueira, Filipe Leal, Chico Barreira, Daniel Homem e João Oliveira

Jogaram Ainda: Pedro Cerqueira, Alfredo Nogueira e Afonso Santos

Golo: João Oliveira

12 anos depois, um dos grandes derbys do hóquei em patins nacional regressou. Embora sem a pujança das últimas décadas, o Pavilhão dos Desportos apresentou uma boa casa com cerca de mil espectadores.

À partida para esta 5ªJornada, a Sanjoanense tentava somar os primeiros pontos perante uma Oliveirense recheada de grandes valores individuais e com um orçamento muito superior, que lhe permite lutar pelo título.

No entanto, esta diferença não se sentiu na primeira parte porque os visitados entraram muito concentrados e rubricaram a melhor exibição, até ao momento, no campeonato. Jogando em 2×2 com a entrada de Daniel Homem para o cinco inicial, em detrimento do castigado Tiago Ferraz, a Sanjoanense, sempre com cautelas, soube encarar o adversário “olhos nos olhos” e chegou à vantagem, nos primeiros minutos, pelo capitão João Oliveira.

O encontro decorria equilibrado e com bom ambiente nas bancadas, como é hábito no Pav.Desportos e a Oliveirense procurava chegar ao empate, concretizado por Tó Silva, que só teve que encostar para o fundo da baliza de David Nogueira, fazendo o 1-1, resultado que se manteve até ao intervalo.

Na segunda parte, a Sanjoanense manteve a concentração mas alguns erros da dupla de arbitragem de Aveiro, chefiada por António Santos, permitiram um desnivelamento do resultado.

Aos três minutos, Filipe Leal vê rigoroso cartão azul e, no respectivo livre-directo, David Nogueira brilhou perante Gonçalo Alves. A jogar em powerplay, a Oliveirense chegou à vantagem, no minuto seguinte, por Nelson Pereira.

Pouco depois, Chico Barreira sofre falta para cartão azul com a dupla de arbitragem a não admoestar o cartão, marcando apenas a falta. O sub-capitão alvi-negro foi, aliás, muito castigado com faltas, algumas delas dentro da área, nem sempre sancionadas e outras punidas com simulação.

Esta situação permitiu alterar um score de faltas que ao intervalo era de 6-8 para um 10-8, aos dez minutos, mas no livre-directo, David Nogueira voltou a negar os intentos da Oliveirense.

Contudo, quem tem jogadores do calibre de Gonçalo Alves tem um trunfo que é capaz de desequilibrar encontros a qualquer momento e assim foi, aos oito minutos, com um golo “de outro mundo” do internacional português.

A Sanjoanense não baixou os braços e criou inúmeras situações para marcar, mas Xavi Puigbi justificou o investimento e realizou uma exibição ao mais alto nível. Como “quem não marca, sofre”, Tó Silva, contra a corrente do jogo, colocou o marcador em 4-1, com muita sorte à mistura.

Aos treze minutos, João Oliveira desperdiçou um livre-directo e Martin Montivero, aos dezoito minutos, fechou a contagem em 1-5, um resultado exagerado e pesado para aquilo que os homens de Vítor Pereira produziram.

Este Sábado há um encontro muito importante na luta pela manutenção, frente-a-frente irão estar Carvalhos e Sanjoanense pelas 18h.

Agenda do Fim de Semana das Modalidades

Andebol | Agenda fim de semana

Seniores | Oleiros – ADS sábado 21h

Iniciados | ADS – Oleiros domingo 11h

Iniciados Femininas | AA Espinho – ADS domingo 16h

Infantis | S. Bernardo – ADS sábado 16h

Infantis Femininos | ADS – Vacariça sábado 15h

Minis | ADS A – Espinho domingo 15h
Minis | ADS B – Oleiros domingo 9h30

Minis Fimininas | LAAC – ADS domingo 15h

Futebol | Agenda Fim de Semana

Seniores | S. João de Ver – ADS domingo 15h

Juvenis A | Taboeira – ADS domingo 11h
Juvenis B | Carregosense – ADS sábado 14h30

Iniciados A | Feirense – ADS domingo 11h
Iniciados B | ADS – Paços de Brandão domingo 11h
Iniciados C | ADS – Mosteirô domingo 9h

Jogos de sábado

Infantis A | ADS – Salesiano 9h
Infantis A | ADS – Cortegaça 9h

Infantis B | Anta – ADS 9h
Infantis B | Tarei – ADS 10h15

Benjamins A | ADS – Avanca 10h15
Benjamins A | Salesiano – ADS 14h15

Benjamins B | ADS – Cucujães 15h
Benjamins B | Alba – ADS 11h30

Traquinas A | ADS – Oliveirense 11h30
Traquinas A | Arrifanense – ADS 11h30

Traquinas B | ADS – Avanca 11h45
Traquinas B | Salesiano – ADS 15h30

Petizes | Paços de Brandão – Pandas ADS A 11h30
Petizes | Os Baixinhos A – Pandas ADS B 11h30

Hóquei-Patins | Agenda do fim de semana

Seniores | Carvalhos – ADS sábado 18h

Seniores Femininas | Benfica – ADS sábado 15h Final Supertaça

Juvenis | CA Feira – ADS sábado 15h

Iniciados | HA Cambra – ADS sábado 11h
Iniciados | ADS – HC Mealhada domingo 11h

Infantis | HA Cambra – ADS sábado 10h
Infantis | ADS – HC Mealhada domingo 16h

Benjamins | ADS – CA Feira domingo 10h

Escolares | ADS – CA Feira domingo 15h

Agenda do Fim de Semana

Andebol | Agenda Fim de semana

Juniores | ADS – Oleiros domingo 15h

Iniciados Femininos | ADS – Pateira domingo 11h

Infantis | ADS – Monte sábado 11h

 

 Futebol | Agenda Fim de Semana

Seniores | ADS – Cesarense domingo 15h

Juvenis A | ADS – União de lamas sábado 15h
Juvenis B | ADS – Arrifanense sábado 17h15

Iniciados A | ADS – Repesenses domingo 11h
Iniciados B | Arouca – ADS domingo 11h
Iniciados C | Arrifanense – ADS domingo 10h30

Jogos de sábado

Infantis A | ADS – Mosteirô 9h
Infantis A | Sanguedo – ADS 9h

Infantis B | ADS – Feirense 10h15
Infantis B | ADS – Carregosense 10h15

Benjamins A | Loureiro – ADS 10h15

Benjamins B | ADS – Soutelo 11h30
Benjamins B | Arrifanense – ADS 10h30 domingo

Traquinas A | Loureiro – ADS 11h30

Traquinas B | ADS – Anta 11h45
Traquinas B | Casa Benfica Aveiro – ADS 9h15 domingo

Hóquei-Patins | Agenda

Seniores | ADS – Oliveirense Quarta-Feira 21h

Seniores Femininas | ADS – Arazede domingo 18h

Juvenis | ADS – Ol. Hospital sábado 15h

Iniciados | ADS – Oliveirense domingo 11h

Infantis | ADS – HC Viseu sexta-feira 20h30

Resultados Finais

Andebol | Agenda do Fim de semana

Seniores | ADS 23 – Avanca 23

Juniores | Espinho 29 – ADS 23

Iniciados | Espinho 19- ADS 16

Iniciados femininas | Ac. Espinho 29 – ADS 33

Basquetebol | Resultados Finais

Séniores | AC Alfenense 58 – AD Sanjoanense 96

Sub18 Masculinos | Esgueira 58 – AD Sanjoanense 74

Sub16 Femininas |  Esgueira 69 – AD Sanjoanense/Súrya Café 49

Sub16 A Masculinos | AD Sanjoanense 35 – AD Ovarense 44

Futebol | Resultados Finais

Seniores | Vildemoinhos 1 – Ads 0

Juniores | Ads 0 – Vila Real 0

Juvenis A | Carregosense 0 – Ads 3
Juvenis B | U. Rossas 0 – Ads 3

Iniciados A | Gondomar 0 – Ads 1
Iniciados B | Ads 0 – Taboeira 6
Iniciados C | Ads 6 – Arada 0

Infantis A | Cesarense 2 -Ads 4
Infantis A | Ads 7 – S João Ver 1

Infantis B | Ads 7 – Milheiroense 0
Infantis B | Bustelo 2 – Ads 3

Benjamins A | Mac. Cambra 0 – Ads 12
Benjamins A | Ads 3 – Furadouro 5

Benjamins B | Valecambrense 1 – Ads 6
Benjamins B | Ads 10 – Estarreja 2

Traquinas | Ads 17 – Tarei 0
Traquinas | Ovarense 3 – Ads 3

Hóquei-Patins | Resultados Finais

Seniores | Candelária 8 – ADS 6

Juvenis | Bom-Sucesso 0 – Sanjoanense 10

Iniciados | Anadia 3 – Sanjoanense 4

Infantis | Anadia 0 – Sanjoanense 5

Na Candelária, o Hóquei em Patins é diferente

Candelária 8 x Sanjoanense 6

5 Inicial: David Nogueira, Tiago Ferraz, Filipe Leal, Chico Barreira e João Oliveira(Cap.)

Jogaram Ainda: Marco Lopes, Pedro Cerqueira, Alfredo Nogueira, Daniel Homem e Afonso Santos

Golos: Afonso Santos, Alfredo Nogueira, Chico Barreira e Tiago Ferraz(3)

Na ilha do Pico, a Sanjoanense defrontou o Candelária numa partida de hóquei que começou na véspera, com os alvi-negros a viajarem de noite até Ponta Delgada, onde pernoitaram e de manhã viajaram de barco até ao Pico, num grande esforço financeiro da secção, sendo necessário recordar que a Sanjoanense é a equipa da 1ª Divisão com o menor orçamento anual. Este Domingo regressam o grupo de jogadores que amanhã(Segunda-Feira) necessitam impreterivelmente de voltar aos seus trabalhos ou estudos e, na Segunda-Feira de manhã, regressam o segundo grupo de jogadores e staff por ser economicamente mais em conta, o que diz bem do esforço financeiro que a Sanjoanense fez para ir aos Açores e o esforço que os seus responsáveis fazem pelo hóquei em patins, estando dois e três dias fora de casa, longe das suas famílias.

Quanto ao encontro propriamente dito, o Candelária foi mais forte na primeira parte e chegou ao intervalo a vencer por 4-1, com golos de Pedro Afonso, Mauro Fernandez e bis de Ruben Sousa, tendo reduzido Afonso Santos. Da primeira parte realce para um azul para o Candelária e dois azuis para a Sanjoanense, nomeadamente para Filipe Leal e para Vítor Pereira, por protestos.

Na segunda parte, Pedro Afonso marcou o quinto nos primeiros segundos e Alan Fernandes ampliou para 6-1. Aos nove minutos, Alfredo Nogueira reduziu para 6-2, mas Ruben Sousa fez o “hattrick”, aos quinze minutos. A partir daqui foi ver a Sanjoanense numa recuperação estóica e quase histórica: Chico Barreira fez o 7-3, aos dezoito minutos e, depois, Tiago Ferraz apareceu no encontro para fazer um “hattrick” perfeito, com três golos de bola parada, duas recargas a livres-directo e uma grande penalidade convertida.

Estávamos com pouco mais de um minuto para se jogar no Pico e a Sanjoanense acreditava que podia chegar ao empate, numa pressão intensa sobre o Candelária. Mas a 40 segundos do fim, Tiago Ferraz vê falta para cartão azul, que Tiago Resende converteu e “matou” o encontro com 8-6.

No banco, Tiago Ferraz terá, alegadamente, trocado palavras com Ruben Sousa que também estava no banco dos “azuis” com José Nave a apenas expulsar o defesa alvi-negro, que assim desfalca a Sanjoanense no próximo encontro, que se disputará na Quarta-Feira, 5 de Novembro, frente à vizinha Oliveirense.

A Sanjoanense está à três jornadas numa toada do “quase”, quase que conquistava pontos em Barcelos, tal como em casa com o Paço D’Arcos e, agora, nos Açores que, por pouco, não fez história com uma recuperação fantástica. Se na semana passada os alvi-negros apenas podem queixar-se de si próprios por não terem conquistado um melhor resultado, esta semana há o sentimento de dever plenamente cumprido e o amargo de boca que, com outras condições, algo mais poderia ter sido alcançado.

A Sanjoanense está, pela terceira jornada consecutiva, no limiar do “quase”. Quase que conseguia pontos em Barcelos, com o Paço D’Arcos e agora na Candelária, com uma recuperação que poderia ter sido estóica. O que é que faltou para chegar aos pontos?

Vítor Pereira: Da nossa parte não faltou nada, pusemos tudo em campo, trabalhamos, lutamos contra tudo e só não conseguimos porque não nos deixaram. Entramos bem no jogo, o Candelária teve dificuldades em parar o nosso jogo, recorreu a faltas duras, em 4 minutos já tinha 5 faltas e até aos 7 minutos de jogo já tinham ficado no meu entender 2 grandes penalidades claríssimas por marcar, a partir dos 10 minutos de jogo, a nossa equipa começou a acumular faltas e faltas marcadas pela equipa de arbitragem sem que se justificasse, começou a ficar mais intranquila tal era a dualidade de critérios, dentro e fora de pista por parte dos homens que vestiam de vermelho, note-se que o candelária num jogo muito disputado após os 4 minutos iniciais esteve cerca de 20 minutos sem fazer faltas. Nesse período o Candelária aproveitou para dilatar o marcador, fazer um jogo mais tranquilo, connosco a correr atrás do prejuízo, sempre a sermos “puxados” para trás, num jogo que perdeu qualidade e onde no meu entender e infelizmente para a nossa modalidade o que mais salientava eram os erros grosseiros da equipa da arbitragem. Apesar de tudo isto a nossa equipa sempre lutou, trabalhou e com uma atitude de salientar, num período em que depois de estarmos a perder por 7-2 e nos darem como “mortos” chegou ao 7-6 o que fez com que nos minutos finais voltassem a acontecer algumas das peripécias em nosso prejuízo, cartão azul, livre directo, vermelho, antes que nós empatássemos e quando estava 7-6 no marcador a cerca de 1m e meio do fim. Fiquei muito desiludido com a arbitragem do jogo, todos temos os nossos dias menos bons e o que se passou aqui no candelária foi muito mau. Ficamos impossibilitados de lutar pelos nossos primeiros pontos no campeonato e viemos cumprir calendário. Temos estado muito perto de conseguir esses pontos apesar de estarmos a defrontar equipas do meio da tabela da época passada, com outra experiência e frieza, situação essa que tem feito a diferença em alguns jogos.

A perder por cinco golos, nos Açores, sabendo da dificuldade que é para todas as equipas jogar nas ilhas, a sua equipa chegou ao 7-6 e, por pouco, que não conseguiu algo mais. Não ganhou pontos, mas sente que ganhou uma equipa ainda mais unida e determinada para o futuro imediato?

V.P.: Sem dúvida, temos vindo em crescendo. Apesar de uma pre-época muito atribulada, um início do campeonato sem podermos contar com o nosso ringue, andarmos com a “casa às costas”, a equipa tem demonstrado qualidade, os níveis de entrosamento começam a aparecer, a qualidade de jogo a melhorar e alguns dos princípios que pretendemos estão a surgir. Em breve penso que vamos ter a nossa identidade como equipa bem definida. No meu entender os jogadores já estão todos identificados com a mística e os valores do clube, mostraram aqui nos Açores isso de uma forma bem patente, uma entrega, uma vontade de ganhar, uma capacidade de lutar contra muitas adversidades. No entanto saliento também que precisamos ainda de melhorar, principalmente a nível psicológico, não podemos deixar que nos desestabilizem como aconteceu hoje, temos de ser mais fortes ainda e apesar das adversidades e injustiças temos que manter o rigor táctico, firmes e esclarecidos. Sei que em situações como a de hoje isso não é fácil, mas se o fizermos podemos fazer a diferença. Como já tive oportunidade de dizer, conto com este grupo de trabalho, com todos, em momentos diferentes e de acordo com as suas qualidades e tudo que os jogos envolvem. Saio daqui ainda mais confiante com a equipa. Os jogos que vamos ter neste futuro imediato são sem dúvida difíceis, alguns com equipas de objectivos bem diferentes do nosso, isso não vai mudar a nossa postura entraremos em campo para lutar pelos 3 pontos e dignificarmos o nosso clube, sabemos que todos os pontos que conseguirmos serão importantes para o nosso objectivo, vamos precisar de manter esta postura determinados, unidos e acreditar sempre, como acreditamos hoje aqui.

Segue-se um derby escaldante com a Oliveirense, com uma semana e meia para preparar esse jogo. Sabendo que estas equipas já se encontraram na pré-época, com vitória esclarecedora da Oliveirense por 5-0, acredita que os erros da pré-época podem ser rectificados e a Sanjoanense fazer uma surpresa no seu pavilhão, perante este candidato ao título?

V.P.: É o regresso dos verdadeiros Derbys ao pavilhão da Sanjoanense, são jogos com características diferentes dos outros, bem diferente do jogo de pre-época. Apesar de jogarmos em nossa casa, a pressão está toda do lado da Oliveirense, pois uma equipa com o orçamento e estrutura para lutar pelo título, não quererá certamente perder pontos com a Sanjoanense, um clube acabado de chegar à primeira divisão com o duro objectivo da manutenção, realidades bem diferentes. No entanto sinto que a minha equipa tem uma palavra a dizer no jogo, os meus jogadores, o nosso trabalho sério, faz com que eu acredite que possamos conseguir algo contra um candidato ao título, que dentro de pista o querer e a alma Sanjoanense faça minimizar algumas diferenças existentes. Para isso é importante o apoio dos nossos adeptos, mostrar que estão presentes e com a equipa, isso será mais um factor para equilibrar. Será o nosso segundo jogo em casa e o factor público é para nós importante, um derby como este merece uma boa moldura humana que seja feita a festa do hoquei em patins. Contem connosco!

Frieza e experiência decidiram

Sanjoanense 2 x Paço D’Arcos 3

5 Inicial: David Nogueira, Tiago Ferraz, Filipe Leal, Chico Barreira e João Oliveira(Cap.)

Jogaram Ainda: Alfredo Nogueira, Daniel Homem, Afonso Santos e Pedro Cerqueira

Golos: Chico Barreira(2)

 

A Sanjoanense averbou a terceira derrota, em outros tantos jogos, no Campeonato Nacional da 1ªDivisão. Pela primeira vez a jogar em sua casa, os comandados de Vítor Pereira falharam, sobretudo, na finalização e viram um Paço D’Arcos mais matreiro e frio a levar os três pontos de São João da Madeira.

Numa partida sempre equilibrada, com mais remates para os visitados, Chico Barreira abriu o activo aos doze minutos, de grande penalidade. Também de grande penalidade, Rui Pereira empatou aos vinte e um minutos, não dando hipóteses a David Nogueira.

No último segundo, João Rodrigues aponta para a marca de grande penalidade a favor dos alvi-negros, tendo Paulo Garrido trocado o guardião “Pilé” por Hugo Garcia que entrou e defendeu o remate de Chico Barreira.

Na segunda parte, os homens da linha foram eficazes e marcaram aos dois minutos, por Nélson Ribeiro e aos doze, novamente por Rui Pereira. A Sanjoanense foi “para cima” do adversário, e reduziu no minuto seguinte por Chico Barreira.

Com o resultado na margem mínima, os homens da capital do calçado procuraram, pelo menos, pontuar, intensificando a pressão e o caudal ofensivo e, aos vinte e dois minutos, “Pilé” faz pénalti recebendo cartão azul e, chamado à marcação, Pedro Cerqueira permitiu a defesa de Hugo Garcia. A jogar em powerplay, o Paço D’Arcos aguentou-se, com várias intervenções de grande nível de Hugo Garcia e levou três felizes pontos para o concelho de Oeiras.

Já a Sanjoanense continua sem pontuar, apesar de continuar a apresentar um bom nível exibicional, faltando acertar detalhes e ter a sorte do jogo. No próximo Sábado, os alvi-negros deslocam-se até à ilha do Pico, para defrontar o Candelária.

Uma derrota que não estava nas cogitações da Sanjoanense, que hoje esperava pontuar…

Vítor Pereira: Sim, hoje esperávamos pontuar, o Paço D’arcos, apesar de ser um adversário muito difícil, está mais ao nosso alcance e nós queríamos conquistar pontos. Isso não foi possível, lutamos e tentamos e penso que não merecíamos ficar sem pontos. Nesta recta final tentamos o tudo-por-tudo, mas infelizmente não foi possível pontuar.

A moral do grupo certamente fica abalada por não ter ainda pontuado. Crê que isso pode condicionar para a próxima partida na Candelária?

V.P.: Não pode afectar, sabemos que temos que lidar com isto, sabemos o valor das outras equipas e sabemos o quão difícil é este campeonato. Das três derrotas, duas são fora de casa contra adversários com muita tarimba na 1ª Divisão, o próprio Paço D’arcos é uma equipa que se reforçou bastante e está com outro ritmo de trabalho. São derrotas que não queríamos ter tido, mas temos que seguir em frente e pensar em conquistar os três pontos na Candelária.

Sabendo que jogar nas ilhas nunca é fácil, mas acredita que é nos Açores que pode estar a chave para os primeiros pontos da Sanjoanense?

V.P.: Acredito que sim, o Candelária sofreu algumas mexidas no plantel, ainda assim é uma equipa com muito valor, mas nós não temos ficado atrás das outras equipas em jogo jogado, há certos detalhes que nos têm prejudicado e nós com este ritmo competitivo e com os treinos que vamos fazer, vamos tentar colmatar esses detalhes. É mais um encontro em que os três resultados são possível e nós não vamos entrar com espírito de derrotados, independentemente de ser das ilhas, nós queremos ganhar.