Qualidade e querer mantêm invencibilidade

  • Sanjoanense chegou ao intervalo em desvantagem, mas deu a volta na segunda metade.
  • Qualidade do futebol é notória e faz sonhar.
  • Formação de São João da Madeira segue invicta.

Em partida da 2ª jornada da Série D do Campeonato Nacional de Seniores (CNS), a Sanjoanense deslocou-se a Estarreja, naquele que foi o primeiro desafio fora de portas.

Com um bom início, os comandados de Pêpa entraram fortes e a dominar, procurando jogar no seu meio campo atacante e Mário, à passagem dos 20 minutos, esteve perto do golo, não fosse a excelente intervenção de André Costa, guarda-redes contrário, a parar o forte remate do ponta-de-lança alvinegro.

            No entanto, apesar do maior pendor Sanjoanense, acabaria por ser o Estarreja a inaugurar o marcador, ao minuto 33. Pouco depois de uma primeira ameaça, travada por uma grande defesa de Diogo, Marmelo, assistido por Fredy, rematou desde fora da área, colocando a formação da casa em vantagem.

            Obrigados a correr atrás do prejuízo, os homens de São João da Madeira continuaram a pressionar e a procurar impor o seu jogo e estiveram perto do empate por duas vezes: aos 36 minutos, Letz obrigou André Costa a bela intervenção, na sequência de um livre direto e, quatro minutos depois, Muxa não conseguiu finalizar, na cara do guardião adversário, a recarga a um primeiro remate de Mário.

            O jogo estava bem disputado e, no minuto seguinte, foi a vez do Estarreja voltar à carga mas Diogo, com nova grande defesa, segurou o cabeceamento de Fredy e manteve a desvantagem pela margem mínima, com que a Sanjoanense saiu para o descanso.

            Ao intervalo, Pêpa decidiu mexer na equipa e abdicou de Bruno Fogaça, lançando Piolho. E o jovem médio trouxe, sem dúvida, mais vivacidade ao encontro, tendo sido parte importante na subida de rendimento e no domínio incontestável nos segundos 45 minutos. Tanto que, com apenas 5 minutos jogados na segunda parte, o médio isolou Muxa que, depois de boa jogada individual, restabeleceu o empate.

            A Sanjoanense estava, por esta altura, por cima na partida e a pressão aumentava junto do setor defensivo da formação da casa, que procurava suster as investidas visitantes. Até que, ao minuto 64, apareceria o lance que iria marcar a partida. Após novo passe de Piolho, desta feita a isolar Alex, o extremo sofre carga guarda-redes adversário, já dentro de área, tendo sido impedido de prosseguir. Albano Correia, árbitro de Braga, não teve dúvidas e assinalou grande penalidade a favor da formação alvinegra, dando ordem de expulsão a André Costa. Chamado a converter o castigo máximo, Catarino não tremeu e colocou a Sanjoanense em vantagem pela primeira vez na partida.

            Com mais uma unidade, os comandados de Pêpa souberam gerir da melhor forma a partida e evitar sobressaltos desnecessários e, já em cima do final da partida, acabariam por dar a machadada final. Na sequência de uma investida atacante rápida, a bola chegou a Catarino e o jovem não perdoou, fazendo o bis e estabelecendo o resultado final.

            Na próxima semana há paragem no CNS para que se disputem os jogos relativos à 1ª Eliminatória da Taça de Portugal, da qual a Sanjoanense ficou isenta e, no dia 14, a formação de São João da Madeira tem a primeira deslocação à Madeira, onde irá defrontar o Camacha.

11 Inicial: Diogo, Pardal, João Pinto, Edgar e Tiago; Letz, Muxa e Bruno Fogaça; Alex, Stefan e Mário.

Jogaram ainda: Piolho (Bruno Fogaça), Catarino (Stefan) e Gian (Tiago).

Ler Declarações do Mister Pêpa

 

Futebol Formação| Iniciados entram a vencer

Com golos de Rafa Cardoso e Nuno Soares, ambos no primeiro tempo, a Sanjoanense derrotou o Repesenses (2-1), abrindo a participação na Série C do Nacional de iniciados da melhor forma. A etapa inicial pertenceu por inteiro à equipa de S. João da Madeira, que podia, inclusivamente, ter chegado ao intervalo com uma vantagem mais confortável no marcador. Na segunda metade, o Repesenses conseguiu equilibrar um pouco a contenda, mas o melhor que conseguiu foi reduzir, aos 46 minutos.

A Sanjoanense divide a liderança da prova com o Beira-Mar, que também venceu o Avanca por 2-1. Os restantes três encontros terminaram igualados. O Fiães empatou na Gafanha (1-1), o Feirense diante do Gondomar (1-1) e a Oliveirense com o Académico de Viseu (0-0).

No domingo, o conjunto alvinegro recebe o Feirense.

A equipa de Juniores da Sanjoanense iniciou a Série B da 2.ª Divisão Nacional com um nulo na visita a Penafiel. O conjunto orientado por Carlos Santos esteve melhor durante a primeira metade, mais viu o guardião duriense, Miranda, negar o golo por duas vezes, com excelentes intervenções. A segunda parte foi mais equilibrada, mas pertenceu à Sanjoanense a melhor ocasião de todo o jogo. Aos 85 minutos, Lisboa dispôs de uma grande penalidade, mas desperdiçou.

O empate deixa a ADS na 6.ª posição, de uma tabela liderada pelo Feirense, que goleou o Vila Real, por 5-1. Seguem-se Lusitânia de Lourosa e Padroense, que derrotaram, por 2-1, Canidelo e Sp. Espinho, respetivamente.

No próximo sábado (17h), a Sanjoanense recebe o Lusitânia de Lourosa.

Fonte: Jornal Unico

Arranque de temporada 2014/2015

Informamos todos os atletas e respectivos encarregados de educação que se realizará no próximo dia 1 de Setembro a Apresentação com vista ao arranque das acitividades para a época 2014/2015.
A mesma decorrerá pelas 19h00, no pavilhão Paulo Pinto.

O arranque da temporada para o minibasquete estará previsto para o dia 16 de Setembro.

Contamos com a vossa presença!!!

Declarações de Pepa (com áudio)

A Sanjoanense entra a ganhar na nova época, num novo campeonato. Sendo um jogo igual a todos os outros e em que o pensamento é o da vitória, acredita numa motivação extra pela conquista dos três pontos, logo no primeiro jogo?

As vitórias são sempre a melhor vitamina em termos anímicos e de motivação. Temos que acreditar sempre no nosso trabalho, mas as vitórias ajudam a soltar mais o nervosismo normal de início de época, ainda por cima a jogar em casa, por haver a ideia de que existe mais responsabilidade e mais pressão. Mas entrar a ganhar é sempre importante.

A realidade e competitividade desta época são bem diferentes do ano passado. É justo dizer que a equipa ainda se encontra em adaptação, mesmo tendo em conta o número de jogadores experientes?

Está, claro! Temos experiência mas, se formos ver, a média de idades é baixa. Mas claro que vamos crescer todos juntos e hoje tivemos um sinal daquilo que nos espera: jogos muito intensos, com adversários de muita qualidade e jogos decididos em detalhes.
Tivemos uma fase do jogo, na primeira parte, em que fomos felizes, mas o futebol é assim… Aproveitámos essa fase mais feliz, fizemos um golo, acabámos por nos soltar um bocado, mas depois tivemos algumas desatenções que, contra equipas destas, neste campeonato, podem tornar-se complicadas. Foi um aviso e temos que ter em conta que uma fração de segundo pode mudar tudo.

Sente que as ausências do Gian e do Letz, ambas forçadas, possam ter provocado alguma coesão e segurança, principalmente nos processos defensivos?

Sim, fizeram muita falta, são jogadores agressivos, no bom sentido da palavra. Temos que dar tempo ao Joãozinho porque chegou há pouco tempo, está no primeiro ano de sénior e a realidade em que estava é bem diferente desta.
Com essas condicionantes, sabíamos que seria muito complicado preparar o meio-campo e ter o Piolho (Rui) e o Bruno (Fogaça) em simultâneo não é muito normal. Tanto que, no ano passado, o Osório raramente jogava com o Piolho… Ou jogava um ou outro e raramente faziam ambos os noventa minutos. O Bruno tem características parecidas com as do Piolho e admito que foi um risco jogar com os dois ao mesmo tempo, mas foi um risco que quisemos assumir.
Na primeira parte estivemos um bocado perdidos e o Anadia teve algumas oportunidades que nos assustaram mas corrigimos e melhorámos e, na segunda parte, o Anadia não teve grandes oportunidades, à exceção da fase final, com as bolas bombeadas para a área.
Mas é um campeonato muito equilibrado, muito competitivo e temos que estar prontos para isto.

O próximo jogo é em Estarreja e será a primeira deslocação fora de portas, num terreno tradicionalmente complicado. Quais as primeiras impressões quanto ao adversário?

O Estarreja reforçou-se muito e bem. Sabemos da sua valia, uma equipa com boa qualidade individual, mas queremos ir lá para jogar olhos nos olhos e ganhar o jogo. Sabemos da dificuldade que temos mas, se não a tivéssemos, não tinha tanta piada. Sabe bem quando é sofrido, também.
Este campeonato é muito competitivo e equilibrado, todos querem fazer pontos. Hoje a pressão era ainda maior porque ninguém queria perder, é sempre mau… Entrar com um empate é menos mau, mas depois de uma pré-época de 4/5 semanas a preparar um jogo, todos querem vencer. A partir daqui tudo volta ao ciclo normal, com jogo de semana a semana – com a possível exceção das alturas de Taça – mas o primeiro jogo é sempre complicado quanto à questão da gestão das emoções e por isso é que digo que temos que saber sofrer… E, quanto a isso, tenho que dar os parabéns pelo espírito de sacrifício que tivemos e não tenho dúvidas que, a partir daqui, conseguiremos aumentar os nossos momentos de qualidade.

Sanjoanense vs Anadia (Pêpa) em áudio